'

Estudo aponta as marcas mais valiosas do Brasil em 2011

A Brand Finance/Superbrands realiza evento na capital paulista*, na próxima terça-feira, 29 de novembro, para anunciar o resultado de seu novo estudo “As 130 Marcas Mais Valiosas do Brasil em 2011”.

De acordo com o levantamento inédito da Brand Finance / Superbrands a soma do valor das 130 maiores marcas presentes no Brasil aumentou 16,4% em 2011 em comparação a 2010, saindo do total de R$ 275,1 bilhões para R$ 320,4 bilhões. “O valor das marcas mais fortes do país evoluiu acima do PIB no período (7,5% em 2010 e 3,5% estimado para 2011), ratificando seu papel como ativos estratégicos, geralmente mais resistentes e duráveis em diferentes momentos da economia, além de maior diferencial competitivo sustentável das empresas na atualidade”, afirma o CEO e sócio da Brand Finance/Superbrands América do Sul, Gilson Nunes.


Pelo sexto ano consecutivo, a marca mais valiosa no Brasil é o Bradesco, com um valor de R$ 31,2 bilhões (“AA-” em termos de Força de Marca ou brand rating*), seguido, pela ordem, por Itaú (R$ 27,7 bilhões e BBB+ em Força de Marca); Banco do Brasil (R$ 15,9 bilhões e BB); Petrobras, (R$ 14,4 bilhões e BB+); Vivo (R$ 8,6 bilhões e A); OI (R$ 8 bilhões e BB+); Santander (R$ 7,6 bilhões e B-); Walmart (R$ 7,5 bilhões e BBB+); Casas Bahia ( R$ 7,4 bilhões e A) e Caixa (R$ 7,1 bilhões e B+).


Sobre a continuidade dos bancos na liderança, Gilson Nunes atribui o resultado ao papel crucial do setor em 2010 e primeiro semestre de 2011 no crescimento econômico do país, principalmente, pela maior oferta de crédito e crescente inclusão social de uma camada da população não bancarizada, que obteve maior crescimento de renda e emprego. “Além disso, este bom resultado dos bancos reflete a melhoria de seus serviços, da reputação e do relacionamento com clientes, em especial o Bradesco e o Banco do Brasil. Já no caso do Itaú, a absorção da marca Unibanco representa fator preponderante de crescimento; assim como o Santander, com a incorporação do Banco Real”, avalia Nunes.


Outro setor que obteve bom desempenho foi o varejo, segundo o executivo, graças à maturidade dos investimentos na expansão de pontos de venda e oferta de produtos; valendo destacar o crescimento da marca Walmart, que saltou da 11a posição em 2010 para a 8a em 2011. Já as marcas Vivo e Oi respondem pelo crescimento do setor de telefonia, enquanto Telefônica continua em tendência de queda em seu valor (-14%), refletindo, de acordo com o levantamento, uma piora na percepção do público pesquisado, em termos de qualidade e atendimento, entre outros itens abordados. Outra curiosidade é que apesar de obter uma das maiores taxas de crescimento em vendas no período, muitas marcas do setor de veículos caíram de posição, fruto de percepções negativas em itens como assistência técnica e atendimento pós venda.

Fonte: Portal da Propaganda



"Ordem de Jedi" é escolhida como religião por mais de 15 mil tchecos

Mestre Yoda empunha seu sabre de luz
A "Ordem de Jedi", organização fictícia da saga cinematográfica "Star Wars", foi escolhida como religião por mais de 15 mil pessoas na República Tcheca, como mostra censo realizado em 2011 no país. De acordo com o site CzechPosition, a maioria dos fanáticos está na capital, Praga.
Ainda que o catolicismo seja a religião que prevalece na República Tcheca, o site oficial do censo afirmou que um "número considerável de pessoas aderiu aos valores morais dos Cavaleiros de Jedi".
Um porta-voz da empresa que realizou a pesquisa disse que a opção foi incluída nas entrevistas depois de uma série de discussões sobre a seriedade da escolha. "Mas não cabe aos estatísticos dizer o que é e o que não é religião", justificou.
Em 2001, milhares de canadenses também responderam "Ordem de Jedi" como religião e, no mesmo ano, 53 mil neozelandeses fizeram a mesma opção.

Facebook libera novos perfis para usuários brasileiros


O Facebook começou a liberar nesta quinta-feira (15) o Timeline, novo formato de layout de sua interface, para usuários brasileiros.
Para obter a nova interface, o usuário deve ir à página https://www.facebook.com/about/timeline e clicar em “Obter a Linha do Tempo”. O usuário que fizer a mudança tem uma semana para testar o novo formato e decidir se aprova a migração.
A mudança para os novos perfis começou no último dia 06, a partir da Nova Zelândia.
Entre as novidades, a nova interface irá agregar todos os conteúdos compartilhados pelo usuário divididos de acordo com seu ano de publicação.
Além disso, a rede social vai ganhar uma série de novos apps, como os do Spotify  e da Netflix.
Em sua nova fase, mais do que continuar crescendo, o Facebook pretende manter os usuários engajados dentro da plataforma. Assim, não será preciso sair da rede social caso o usuário queira ouvir uma música ou ver um filme.
O Facebook é a maior rede social da atualidade, com 800 milhões de usuários. No Brasil, cerca de 30 milhões de pessoas acessam o serviço.

Fonte: Vinicius Aguiari, de INFO Online

Conheça serviços para armazenar arquivos na "nuvem"

Existem dezenas de serviços on-line que oferecem armazenamento de arquivos na chamada “nuvem” da internet.

Contar com esse tipo de serviço tem se mostrando uma estratégia eficiente para os usuários que possuem um computador, tablet ou smartphone. Isso porque armazenando os arquivos na nuvem, eles ficam disponíveis a qualquer momento quando conectados à internet.

Além de confiáveis, as ferramentas acabam se tornando alternativas mais eficientes de armazenamento do que discos externos e pen drives. Dependendo do serviço assinado, é possível contar com o streaming de arquivos multimídias, aplicativos para acessar os arquivos em dispositivos móveis, limite de tamanho individual de arquivos e taxa de velocidade de upload.


Para demonstrar as principais diferenças entre os serviços de armazenamento em nuvem, a coluna Tira-dúvidas preparou um guia com os serviços mais populares, para que o leitor possa escolher qual serviço atende melhor sua necessidade.

Com o SugarSync o usuário pode armazenar gratuitamente até 5 GB de conteúdo usando o serviço (Foto: Reprodução)
Com o SugarSync, o usuário pode armazenargratuitamente até 5 GB de conteúdo usandoo serviço

SugarSync

O SugarSync é um serviço de armazenamento de arquivos em nuvem que oferece gratuitamente um disco virtual de 5 GB de capacidade. Nesse disco, é possível armazenar cópias de segurança, imagens, vídeos, músicas em MP3, além de poder acessá-lo simultaneamente por múltiplos dispositivos.

O serviço oferece aplicativos para o gerenciamento dos arquivos nos sistemas operacionais Windows XP/Vista/7, Mac OS X, e para os dispositivos móveis iPhone, iPad, BlackBerry, Android, Windows Mobile e Symbian.

Além da interface web compatível com os principais navegadores de internet, também é possível contratar planos com maior capacidade de armazenamento. O SugarSync oferece recursos que permitem ao usuário fazer streaming dos arquivos de músicas, além de sincronizar e-mails do Outlook. Para usar o serviço basta criar uma conta no site do SugarSync.


Dropbox (Foto: Reprodução)
Dropbox é um dos serviços de armazenamento mais popular do mercado

Dropbox

O Dropbox é outro serviço de compartilhamento muito popular, com recursos semelhantes ao SugarSync. É possível armazenar e compartilhar na nuvem todo o tipo de arquivo. Os usuários que optarem pela conta gratuita terão acesso a um disco virtual de 2GB de espaço. A capacidade de armazenamento pode ser ampliada gratuitamente quando o usuário envia convites aos seus contatos, para que eles também se inscrevam no Dropbox.

Para cada convite aceito, são liberados 250 MB de bônus, com um limite de até 8 GB. E se mesmo assim o espaço não for suficiente, é possível contratar mais memória pagando uma anuidade. Se comparado ao SugarSync, o Dropbox fica devendo em recursos como o de streaming de multimídia, automação de backups e edição de arquivos no próprio navegador. Porém, possui aplicativo para Linux. Já o SugarSync oferece apenas a opção para os sistemas operacionais Windows e Mac OS X.

Nos dispositivos móveis, estão disponíveis aplicativos para iPhone, iPad, Android e BlackBerry. Para contar com um disco virtual do Dropbox, basta criar uma conta no site do serviço.


A Amazon também oferece um serviço para o armazenamento de arquivos na nuvem (Foto: Reprodução)
A Amazon também oferece um serviço de armazenamento na nuvem

Amazon Cloud Drive
A Amazon oferece um serviço de armazenamento na nuvem com capacidade de até 5 GB gratuitamente. Nesse serviço, além de armazenar os arquivos pessoais, os usuários podem guardar e organizar todas as músicas adquiridas na loja da Amazon.

A interface de acesso aos arquivos fica no próprio navegador de internet. Os usuários de iOS e Android contam com um aplicativo chamado Amazon Cloud Player, que permite acessar o conteúdo musical e criar listas de músicas. Caso o usuário precise de mais espaço, basta optar por uma assinatura anual de até 1TB de capacidade de armazenamento. Para acessar o serviço é preciso criar um conta no site da Amazon.

O iCloud é o serviço de armazenamento e compartilhamento de arquivos e aplicativos da Apple (Foto: Reprodução)
iCloud é o serviço de compartilhamento de arquivos e aplicativos da Apple

iCloud
O iCloud é o serviço de armazenamento na nuvem disponível para usuários de produtos da Apple. Nele, são armazenadas fotos, aplicativos da App Store, livros e outros.

Ele possui total integração com iPhone, iPad, iPod touch, Mac e PC. São 5 GB disponíveis gratuitamente para o armazenamento de conteúdo. No serviço também ficam guardados os e-mails, contatos e compromissos do calendário.

Desde que habilitado, o usuário não precisa se preocupar com a sincronização dos dados, pois todo o processo é executado automaticamente nos dispositivos que tiverem acesso ao serviço. Se faltar espaço, também é possível assinar um plano de ampliação da capacidade de armazenamento.

O serviço oferece integração com programas de edição de arquivos, como Pages, KeyNote e Numbers. Outro recurso muito útil é o de streaming de imagens. Por meio desse recurso, todas as imagens capturadas são disponibilizadas automaticamente nos equipamentos que estiverem conectados ao iCloud.

O Ubuntu One é o serviço de armazenamento de arquivos disponibilizado pela empresa desenvolvedora do Ubuntu Linux (Foto: Reprodução)
Ubuntu One é o serviço de armazenamento de arquivos da empresa do Ubuntu Linux

Ubuntu One

O Ubuntu One é um serviço de armazenamento de arquivos na nuvem oferecido pela empresa criadora da distribuição Linux Ubuntu. Nesse serviço, os usuários contam gratuitamente com um disco virtual de 5 GB para armazenarem os arquivos.

A sincronização dos arquivos pode ser feita pelo recurso nativo do Ubuntu, mas usuários do sistema operacional Windows também podem sincronizar os seus arquivos por meio do aplicativo do Ubuntu One criado para a plataforma.

Os usuários do sistema Android também contam com um aplicativo para smartphones e tablets. Para os donos de iPhone e iPad foi desenvolvido um aplicativo destinado apenas para o serviço Ubuntu One Music, que é um serviço adicional. Além dos aplicativos mencionados acima, também é possível acessar os arquivos no próprio site do Ubuntu One.
O SkyDrive é o serviço de armazenamento de arquivo integrado com o Microsoft Windows Live (Foto: Reprodução)
SkyDrive é o serviço de armazenamento de arquivo integrado ao Microsoft Windows Live

Windows Live SkyDrive

A Microsoft também oferece um serviço de armazenamento na nuvem, o SkyDrive. Para ter acesso ao serviço é preciso ter uma conta ativa no Windows Live Messenger. Automaticamente, o usuário terá disponível 25 GB para armazenar arquivos. A interface do serviço fica no próprio site do SkyDrive. Também é possível editar arquivos do Office na ferramenta.

Além disso, os usuários podem instalar o Windows Live Mesh no Windows e o Windows Live Sync para Mac OS X para sincronizar e acessar os arquivos no SkyDrive. Para dispositivos móveis Android, existe um aplicativo gratuito chamado sorami-skydrive, mas vale salientar que o aplicativo ainda se encontra na fase de testes.

Existem outros serviços na internet que também oferecem funcionalidades semelhantes aos apresentados acima. Nesta coluna, foram mostradas as ferramentas mais conhecidas e que oferecem opções gratuitas.

Fonte: Ronaldo Prass para o G1

Corrente no Facebook “engana” amigos com viagem para o exterior

Uma nova corrente no Facebook, feita apenas para despertar curiosidade, tem invadido as timelines de usuários da rede social. Tudo começa com uma postagem de alguém dizendo que vai ficar certo tempo fora do país. Geralmente, ela tem essa estrutura: “Vou morar em XX lugar por YY meses”.


Após a postagem, o natural é que os amigos da pessoa comecem a fazer comentários do tipo “Ah, parabéns!”, “Nossa, nem me avisou, hein?” ou “Você já lavou uma louça hoje?” [essa ninguém postou, mas confesso que gostaria de deixar este comentário :) ].

Enquanto você, amigo (a), deixa seus votos de boa sorte ou curte o comentário, a pessoa que postou ri muito de você (ou entra na conversa com comentários do tipo “Vou trazer tal muamba para você de lá”), pois isso não passa de uma corrente troll estranha que alguém inventou – aliás, não existe uma origem certa, mas na internet, há quem diga que tem relação com uma campanha relacionada ao câncer de mama (?).

A corrente funciona da seguinte maneira:

– A pessoa deve pegar o dia do nascimento (por exemplo, dia 30), que será o número de meses que ela ficará fora do país.

– Depois, deve considerar o mês que nasceu (por exemplo, junho) e consultar uma tabela. Cada mês corresponde a um lugar. (Por favor, não perguntem por que México é Janeiro ou setembro corresponde a Holanda)

Janeiro: México.

Fevereiro: Londres.

Março: Miami.

Abril: República Dominicana.

Maio: França.

Junho: São Petersburgo.

Julho: Áustria.

Agosto: Alemanha.

Setembro: Holanda.

Outubro: Amsterdã.

Novembro: Las Vegas.

Dezembro: Colômbia.

– Para completar a trollada, é só postar no Facebook “Vou morar em São Petersburgo por 30 meses” e rir dos comentários e curtidas.

Observação: Apesar de não ter uma origem certa, há ainda quem acredite que a corrente foi criada por hackers para saber o aniversário das pessoas. Com essa informação, eles poderiam descobrir a senha dos usuários, uma vez que boa parte dos internautas utiliza a data de nascimento como senha. De qualquer jeito, fica a dica.


Fonte: Gigablog

Anistia Internacional pede que o Canadá prenda e processe Bush

Ex-presidente dos EUA vai visitar o país em 20 de outubro.
Acusações se referem ao programa secreto da CIA executado de 2002 a 2009.

Da AFP

A Anistia Internacional (AI) pediu nesta quarta-feira (12) que as autoridades do Canadá prendam e processem o ex-presidente americano George W. Bush durante sua visita ao país, prevista para 20 de outubro, acusando-o de vários crimes, entre eles, a tortura.

O pedido consta em um memorando enviado pela organização humanitária internacional às autoridades canadenses em 21 de setembro, informou a AI em comunicado.

"O Canadá é obrigado, por suas obrigações internacionais, a prender e processar o ex-presidente Bush por sua responsabilidade nos crimes contra o direito internacional, entre eles a tortura", declarou Susan Lee, diretora da organização para a América.

 O presidente dos EUA, George W. Bush, com sua mulher, Laura, durante jogo de beisebol em Arlington, no Texas, em 8 de outubro (Foto: AP)
O presidente dos EUA, George W. Bush, com sua mulher, Laura, durante jogo de beisebol em Arlington, no Texas, em 8 de outubro (Foto: AP)

"Como as autoridades dos Estados Unidos não citaram, até agora, Bush diante da justiça, a comunidade internacional deve intervir. Se o Canadá se abstiver de atuar durante sua visita, isso continuará sendo uma violação da Convenção das Nações Unidas contra a tortura e será uma manifestação de desrespeito aos direitos humanos", completou.

As acusações da AI se referem principalmente ao programa secreto da CIA executado entre 2002 e 2009, que realizava contra os detidos, segundo a organização, "tortura e outros tratos cruéis, desumanos e degradantes, assim como desaparecimentos forçados".

Durante seu mandato, afirma a AI, Bush autorizou "técnicas reforçadas de interrogatório", entre elas a simulação de afogamento.

Fonte: Globo.com

BH recebe exposição sobre a Roma antiga e seus imperadores

Evento vai ser aberto ao público nesta quarta-feira (21).
São cerca de 370 peças originais que recontam parte da história da cidade.

Belo Horizonte está recebendo uma exposição que conta a história da Roma antiga e seus imperadores. O evento vai ser aberto ao público nesta quarta-feira (21). Segundo os organizadores, este é o maior evento do tipo já realizado no Brasil.

São cerca de 370 peças originais que recontam parte da trajetória de um dos maiores impérios da história. A exposição "Roma, a vida e os imperadores" faz parte do "Momento Itália - Brasil, 2012". A exposição vai até o dia 18 de dezembro na Casa Fiat de Cultura, na Rua Jornalista Djalma Andrade, 1.250, Belvedere. A entrada é gratuita.

Estão expostos esculturas, mosaicos e cerâmicas. Para mais informações acesse o site do evento.

Fonte: G1BH

Facebook ultrapassa Orkut em número de usuários brasileiros, pela primeira vez

Em julho, a rede social de Mark Zuckerberg contava com 30 milhões de assinantes no Brasil, contra 27 milhões da concorrente

Nos últimos sete anos, o Orkut foi a rede social mais utilizada pelos brasileiros. No entanto, desde julho, essa liderança foi desbancada pelo Facebook, que ultrapassou o concorrente em termos de número de usuários cadastrados no País.

De acordo com dados do Ibope, divulgados antecipadamente pela revista IstoÉ Dinheiro, o Facebook atingiu a marca de 30 milhões de usuários brasileiros em julho deste ano, enquanto o Orkut possuía 27 milhões de assinantes na mesma época. Ainda segundo a notícia, a rede social criada por Mark Zuckerberg já havia ultrapassado a concorrente em volume de tráfego, no mês de abril.

A história do Brasil com o Orkut ganhou força em 2004. Em julho daquele ano, a rede social já contava com 30 milhões de usuários cadastrados no País, de acordo com um vídeo publicado pelo próprio Google, sobre o sucesso da plataforma em território brasileiro.

O Orkut parece destinado ao esquecimento. Recentemente, o Google - criador da plataforma - lançou uma nova rede social, batizada de Google+. A pergunta que fica é: será que ela terá o mesmo sucesso no mercado brasileiro?
Fonte: Olhar digital

10 anos de Wikipedia

Completando dez anos à frente da enciclopédia colaborativa, executivo conta quais são os planos para atingir 1 bilhão de colaboradores

A Wikipédia, a enciclopédia livre, tem cerca de 400 milhões de usuários mensais, mais de 17 milhões de verbetes cadastrados - um novo há cada seis minutos - e 273 línguas diferentes, que vão das majoritárias, como inglês e espanhol, até as mais curiosas, como latim, esperanto e inglês arcaico. O site é o quinto mais acessado do mundo, ficando atrás apenas do Google, Yahoo, Facebook e Microsoft, e é mantido por doações de voluntários. Nada mais normal para uma organização fundada sob o conceito do colaborativismo.

No auge do seu décimo ano de vida, completado em janeiro de 2011, a enciclopédia está querendo atrair mais pessoas e fará de tudo para atingir seu objetivo. Na entrevista abaixo, concedida com exclusividade para o Olhar Digital, o fundador Jimmy Wales fala sobre a trajetória do site colaborativo e conta quais são os planos para alcançar 1 bilhão de colaboradores e aumentar a comunidade no Brasil.

O que estes dez anos de Wikipédia representam para a internet?

Durante os últimos dez anos a Internet amadureceu bastante e tem crescido muito em todo o mundo. A Wikipédia faz parte desse crescimento. Hoje existem dois bilhões de pessoas conectadas à internet e mais de 400 milhões deles visitam a Wikipédia mensalmente.

Como a Wikipédia trabalha para aumentar a sua credibilidade?

Nós sempre fomos muito focados na qualidade dos artigos e a comunidade de colaboradores da Wikipédia está constantemente envolvida em iniciativas para melhorar a qualidade dos textos postados no site. Estamos muito orgulhosos do que temos realizado e as pesquisas mostram que, curiosamente, os colaboradores são mais críticos em relação ao site do que os próprios leitores.

A ferramenta de feedbacks de artigo é um recurso experimental que pode ajudar a torná-los ainda melhores. Ele permite que qualquer leitor [do idioma inglês] analise rapidamente a qualidade de um artigo. É possível avaliar o texto em sua integridade, neutralidade e legibilidade. Acreditamos que ferramentas como essa pode nos ajudar a entender se a qualidade do conteúdo da Wikipédia está mudando ao longo do tempo ou ainda pode nos auxiliar a identificar artigos que necessitam de ajustes. Os textos que tiveram baixas notas podem ser melhorados e os que receberam avaliações positivas podem ganhar mais visibilidade.

Além disso, a ferramenta de feedbacks de artigos também é uma forma de incentivar a participação de pessoas que atualmente só lêem os textos. Esperamos que estes leitores, eventualmente, passem a se tornar editores também. [É possível encontrar mais informações sobre como se tornar um editor aqui].

A que você atribui o sucesso do site?

Acho que foi uma ideia original. Nós criamos uma enciclopédia livre para todos e isso cativou e inspirou um monte de gente. E foram essas pessoas, da comunidade de editores, que fizeram a Wikipédia se tornar um sucesso.

Há uma filosofia por trás da Wikipédia. Como você a resumiria?

Sim, há um objetivo por trás da Wikipédia e estamos lutando para que isso se consolide. Queremos criar um mundo no qual as pessoas tenham livre acesso a todo conhecimento da humanidade.

A Wikipédia pretende se manter como uma organização sem fins lucrativos? Qual é a estimativa de doações recebidas?

Sim, gostamos de ser uma instituição de caridade sem fins lucrativos e estamos felizes com o modelo de doação. Para nos mantermos longe de publicidades e de possíveis influências, o nosso modelo de captação de recursos deve se manter em torno das contribuições. Contamos com centenas de milhares de pequenas doações de pessoas de todo o mundo que usam a Wikipédia. No ano passado, recebemos em média US$ 24 de meio milhão de pessoas em todo o mundo [um total de cerca de US$ 12 milhões].

O que o Brasil representa para a Wikipédia?

O Brasil representa uma enorme oportunidade de tornar a Wikipédia ainda melhor. Os brasileiros podem contribuir muito para o conhecimento global e queremos que os cidadãos do país e do mundo se beneficiem desse conhecimento. Por isso, estamos convidando os brasileiros a se juntarem a nós. O movimento da Wikipédia no Brasil é forte, mas ainda há muito trabalho a ser feito. Há muitas oportunidades para que os brasileiros contribuam, assim como há espaços para diversos temas que envolvam o Brasil, seja em inglês ou em português.

Você comentou em uma entrevista que quer convidar estudantes brasileiros a participar mais no site. Como pretende fazer isso?

Lançamos recentemente um Programa de Educação Global muito bem sucedido. Ele foi realizado nos Estados Unidos com 24 universidades e centenas de estudantes. O programa incentivou os alunos a escrever artigos para a Wikipédia ao invés de realizar os tradicionais trabalhos de faculdade. Com isso, houve uma melhora nas habilidades de escrita e de pesquisa dos alunos. Além disso, os estudantes ficaram muito mais motivados ao escrever para um público real.

Devido ao sucesso do programa, que também foi iniciado na Índia e Canadá, a ideia é levar a Wikipédia às salas de aula do Brasil no próximo ano. Alguns professores universitários da Unesp e UniRio já estão incorporando a edição de textos na Wikipédia em suas aulas. Mas, esperamos trabalhar mais estreitamente com universidades brasileiras em breve. Universitários e professores que estejam interessados em participar do programa podem contatar a Fundação Wikimedia pelo email education@wikimedia.org.

Recentemente você anunciou que doaria servidores antigos para projetos sem fins lucrativos. Como surgiu a ideia? E como está indo o projeto?

Sabemos que há muitas organizações sem fins lucrativos que precisam de coisas simples como servidores. Então, pensamos em oferecer nossos servidores antigos em nome de um bem maior. Neste momento, estamos com mais de 100 pedidos e esperamos poder entregar estes equipamentos nos próximos dois meses. [Para saber mais sobre o projeto, clique aqui].

Você divulgou que pretende atingir um bilhão de usuários até 2015. Quais são seus planos para alcançar este objetivo?

Recentemente nós criamos um planejamento estratégico, com duração de cinco anos, para levar a Wikipédia para mais pessoas. Temos um projeto de desenvolvimento agressivo que envolve tecnologia e programas de extensão. Queremos investir na criação de aplicativos que ajudem a enriquecer a experiência do usuário e crie novas maneiras de contribuição para o site. Ainda devemos tornar a edição e leitura da Wikipédia mais fácil para todos, usando um editor de textos rico em ferramentas e com interação com comunidades como o WikiLove, além de desenvolver uma versão offline do site para quem não tem acesso à internet. Também vamos investir em uma variedade de programas destinados a incentivar o crescimento da comunidade como o Programa de Educação Global, já citado anteriormente.


Fonte: Olhar Digital - Stephanie Kohn

Cinco desastres criados pelo Photoshop

Os profissionais que trabalham com photoshop muitas vezes perdem a noção de quando devem parar. Assim como plásticas em exagero podem transformar pessoas em "coisas" muitas vezes os (d)efeitos especiais ganham notoriedade pelas mágicas que são capazes de realizar. Desaparecem com umbigos, transformam mocréias em gatas (estes só para citar os mais conhecidos), e por aí vai. Aqui estão mais cinco exemplos para vocês.

Kate Middleton, a duquesa de Cambridge, é a mais nova vítima do Photoshop. O programa para retocar fotos foi criado para melhorá-las, mas nem sempre esse é o resultado.

O F5 selecionou cinco casos recentes em que o Photoshop produziu um verdadeiro desastre.

Sem marido e sem cintura

A revista britânica "Grazia" admitiu que reduziu a cintura da duquesa de Cambridge na capa da edição de 9 de maio. Segundo a publicação, isso aconteceu porque eles queriam uma imagem de Kate Middleton sozinha no dia de seu casamento. Como não havia nenhuma foto, a revista recortou o príncipe e, para não deixá-la sem um braço, criaram a imagem da capa. Com uma cinturinha digna de vespa, não de rainha.

Kate Middleton na revista e na imagem original ________________________________________________

Caetano e Gal "jovens"

A revista "Rolling Stone" aplicou na capa da sua edição de julho um estranhíssimo tratamento de imagem. Os prejudicados foram Caetano Veloso e Gal Costa. A empresária e ex-mulher de Caetano, Paula Lavigne, disse que a partir de agora vai pedir aprovação das imagens antes da publicação de fotos. Tudo para evitar o que o músico fique com cara de "político babaca", definição dela para a tal capa.

Caetano Veloso e Gal Costa ficaram novinhos em folha ________________________________________________

A magrinha da Ralph Lauren

A modelo Filippa Hamilton ficou famosa após sua imagem ser distorcida por computador para uma campanha publicitária da Ralph Lauren. Meses depois, ela contou ao mundo que seu contrato com a marca foi encerrado porque ela estava "muito gorda". A empresa alegou que Filippa "havia engordado muito e não cabia em suas roupas". Você consegue imaginar o tamanho dessas roupas?

A modelo Filippa Hamilton para Ralph Lauren, nas versões com e sem retoques de computador ________________________________________________

Jaque Khury marombada

A revista "Suplementação" colocou em sua capa a ex-BBB Jaque Khury. A imagem causou polêmica já que a moça aparece muito musculosa e bem mais morena. Na época, ela disse: "Eu não gosto de Photoshop, às vezes, exageram mesmo, mas cada trabalho tem um padrão. A publicação disse que o recurso foi usado apenas para corrigir a cor do bronzeamento e tornar os cabelos dela "esvoaçantes".

A ex-BBB Jaque Khury em foto da capa da revista "Suplementação" e em ensaio técnico no Carnaval de SP ________________________________________________

Mãozona de Kirsten Dunst

O Photoshop deu uma mãozona para a delicada atriz Kirsten Dunst. Estrela de uma campanha de perfume, Kirsten aparece nas imagens promocionais segurando um frasco com uma mão gigante.

Khury Kirsten Dunst e sua mão gigante na propaganda da Bvlgari ________________________________________________

Fonte: F5 folha.com

Apple 'obriga' livrarias a pararem de vender e-books via aplicativo

Os aplicativos de livrarias para iPhone e iPad Kindle Amazon, Barnes & Noble e Kobo passaram por atualizações nesta segunda-feira (25). As mudanças, feitas com base em alterações da iTunes Store (loja de aplicativos da Apple), impedem os usuários de comprarem livros por meio de seus aplicativos (sistema conhecido com In-app purchase).

O motivo da atualização dos programas é uma política da Apple para aplicativos que oferecem serviços ou assinaturas: qualquer programa da iTunes Store que direcione o usuário para comprar algo deve dividir os ganhos com a Apple. Por exemplo: se um aplicativo oferece um conteúdo por US$ 1, US$ 0,70 fica para a empresa que comercializou o serviço e o restante (US$ 0,30) vai para a Apple.

A ideia é que as desenvolvedoras não percam dinheiro com a compra de conteúdos móveis.

De acordo com o site americano de tecnologia “Cnet”, a Apple já tinha proposto isso às empresas que vendem e-books, porém, todas recusaram a proposta. A política foi apresentada inicialmente em fevereiro, mas mesmo assim as companhias puderam continuar a comercializar. Em junho, a companhia revisou os termos e estabeleceu que os desenvolvedores removessem mecanismos que permitissem compras, caso não quisessem repassar a quantia de 30%.

Apesar do bloqueio de compra por meio de aplicativos móveis, todas as empresas recomendam que os usuários façam suas compras pela internet e depois sincronizem suas contas em seus aparelhos. Dessa forma, ele poderá acessar o conteúdo do smartphone ou do tablet.


Fonte: uol tecnologia

Lei de crimes na internet: população poderá opinar por chat e Twitter

Está agendada para a próxima quarta-feira (13/7), às 9h30, uma audiência pública voltada a debater com a sociedade o Projeto de Lei 84/99, que tem como objetivo tipificar e punir os crimes cometidos na internet no Brasil. O documento, elaborado pelo deputado federal Eduardo Azeredo há 12 anos, tem levantado uma série de discussões, em especial, quanto à possibilidade de acabar com a privacidade dos internautas.

Para estimular o debate do tema, os internautas poderão participar, em tempo real, da audiência pública, por meio de chat ou Twitter, enviando sugestões, perguntas e críticas aos deputados. Para isso, os interessados devem se cadastrar no portal e-Democracia e acessar o endereço: http://edemocracia.camara.gov.br/web/seguranca-dainternet/participacao-ao-vivo

O debate será promovido pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara; de Direitos Humanos e Minorias; e de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.

No dia 29 de junho, a Comissão de Ciência e Tecnologia adiou a votação do Projeto de Lei 84/99 para 10 de agosto, com o intuito de aprofundar o debate de temas críticos da proposta, por meio da audiência pública.

Deputados contrários ao projeto criado por Eduardo Azeredo colocaram em consulta pública no portal e-Democracia, na última na última segunda-feira (4/7), uma proposta alternativa para a punição de crimes online. O documento defende a garantia de sigilo das informações dos internautas.

O governo federal está empenhado em aprovar, com rapidez, uma lei que permita punir os crimes na internet, os quais não estão previstos na legislação atual. A questão ganhou urgência depois que mais de 200 sites de instituições públicas foram atacados no último mês.

A seguir, veja as principais diferenças entre os dois projetos voltados a tipificar e punir os crimes na internet no Brasil (imagem divulgada pela Agência Câmara. Clique em cima da mesma para ampliá-la):
Fonte: Olhar Digital.uol

"Senna" ganha prêmio de público no Festival de Cinema de Los Angeles

O documentário "Senna", sobre a vida do piloto Ayrton Senna, foi premiado no Festival de Cinema de Los Angeles como melhor filme estrangeiro eleito pelo público. O longa, de produção inglesa, foi dirigido por Asif Kapadia. A premiação ocorreu neste domingo (26).
O documentário "Senna", sobre o piloto de Fórmula 1 brasileiro, bateu recorde de bilheteria no Reino Unido, segundo o site JA.F1.

Desde que estreou, no dia 03/06, "Senna" já arrecadou US$ 614 mil (cerca de R$ 968.892 mil), batendo recorde na categoria de documentários.
Manish Pandey, produtor executivo do filme, disse ao site que a equipe está emocionada com o recorde.
"O filme 'Senna' veio para o Reino Unido e é maravilhoso ver a alegria com que as pessoas o receberam. A gente sabia que estava fazendo algo especial e é ótimo que os fâs britânicos concordem". Um documentário sobre o brasileiro tricampeão mundial de Fórmula 1 Ayrton Senna combina a excitação das corridas em alta velocidade com um retrato comovente do homem por trás do volante, usando imagens nunca antes vistas de Senna nas pistas e fora delas.

"Senna" traça um retrato de um homem apaixonado por seu esporte e seguro quanto a seu talento, mas frustrado com o que ele via como sendo a ingerência política em um mundo onde dinheiro e tecnologia estavam ganhando cada vez mais força.

Já campeão mundial e astro global, ele lembrava com saudades seus dias de piloto de kart no final dos anos 1970 e início dos 1980, dizendo a um entrevistador que as corridas naquela época eram puras.

ASSISTA AO TRAILER DO FILME



Para o diretor britânico Asif Kapadia, o filme foi seu primeiro documentário longa-metragem em que ele abriu mão de apresentadores e, em vez disso, focou inteiramente sobre Senna -- no carro, nas pistas, em reuniões acaloradas de pilotos, cercado por fãs delirantes ou em casa com sua família e seus amigos no Brasil.

"Senti que havia algo de muito especial nessa pessoa", disse Kapadia à Reuters em entrevista por telefone.

Ayrton Senna reunia uma espiritualidade profunda, um relacionamento estreito com seus pais e integridade profissional com a vida de um galã mundial, e, pelo fato de demonstrar suas emoções nos bons momentos e nos ruins, conquistou o afeto de milhões de pessoas.

"Se você não o conhece, deveria conhecer", disse Kapadia, que fez o filme não apenas para os fãs do automobilismo, mas para o público geral. "Sua vida foi emocionante e inspiradora; ele combateu o sistema e a corrupção e defendeu muitas causas boas."

"Ele foi um sujeito especial, e aquilo que ele defendeu longe das pistas foi quase mais impressionante que sua genialidade como piloto."

Resenhas excelentes

As críticas ao documentário têm sido em geral de tom positivo.

"Às vezes um documentário comove você inesperadamente e deixa você sem conseguir respirar. Foi o que senti ao assistir a 'Senna'", escreveu Kenneth Turan no LA Times no início do ano.

O sucesso do projeto se deveu à cooperação da família de Senna e do diretor comercial da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, ambos ricas fontes de imagens até então nunca vistas.

O espectador é levado para os bastidores e vê Senna defendendo a adoção de medidas de segurança em uma reunião acalorada de pilotos e saindo intempestivamente de outra quando acha que seus colegas pilotos se voltaram contra ele.

Também o vemos relaxando em barcos de luxo com sua família e namoradas, o ouvimos falando da desigualdade social no Brasil e ouvimos sua irmã contar como ele buscou apoio na Bíblia antes do no malfadado Grande Prêmio de San Marino, em 1994.

No desenlace dramático, Senna estava evidentemente insatisfeito com seu carro em um momento em que as equipes faziam experimentos com novos tipos de engenharia, e sua percepção de mau agouro só aumentou quando o piloto austríaco Roland Ratzenberger morreu durante os treinos de qualificação.

O médico da Fórmula 1 Sid Watkins lembra que sugeriu a Senna que deixasse de participar da prova, mas então teve que correr para a cena do acidente fatal do piloto brasileiro no dia da corrida. Ayrton Senna tinha 34 anos.

Fala-se muito no filme da rivalidade acirrada de Senna com o francês Alain Prost, com quem o brasileiro se desentendeu com frequência e que é mostrado sob ótica menos positiva, fato que foi criticado por alguns espectadores.

Twitter já tem opção para o português

Para atender à demanda crescente de brasileiros que usam o Twitter, a ferramenta de microblog passou a disponibilizar hoje a opção de linguagem "português brasileiro".

Segundo anúncio no blog, o projeto de tradução foi feito em três dias, o mais rápido já feito pelo escritório do Twitter. Para justificar a nova configuração, o Twitter aponta exemplos da influência da ferramenta na vida de brasileiros, como a convocação de voluntários e ajuda durante as enchentes no Rio de Janeiro, no início deste ano.

O blog também cita o uso do Twitter pelos candidatos à Presidência do Brasil nas últimas eleições e o caso do consumidor que protestou, com sucesso, contra problemas de atendimento da Brastemp diante do seu refrigerador quebrado.

Para alterar a linguagem, o usuário deve acessar "Settings" (Configurações) e escolher "Português". Os outros idiomas disponíveis são: Inglês, Japonês, Chinês, Italiano, Espanhol, Turco, Coreano, Francês, Russo e Alemão.

O anúncio da nova linguagem ainda indicou perfis brasileiros ilustres a serem seguidos: Blog do Planalto (@blogdoplanalto), Luciano Huck (@HuckLuciano), Eike Batista (@EikeBatista), Neymay (@Njr92) e Preta Gil (@PretaMaria). Dúvidas em português podem ser perguntadas ao perfil @ajuda.

Fonte: info.abril

Yahoo e Hotmail sofreram o mesmo ataque do Google, diz pesquisador

Usuários de e-mail do Yahoo e do Hotmail foram atingidos pelo mesmo tipo de ataque descoberto pelo Google nesta semana, revelou a empresa de segurança Trend Micro. Embora as invasões tenham sido conduzidas em separado, elas têm algumas semelhanças.

Em um post publicado na quinta-feira (2), a companhia descreveu dois ataques similares contra o serviço de e-mail do Yahoo e do Windows Live Hotmail. “É um problema que não atingiu apenas o Gmail”, afirmou o pesquisador Nart Villeneuve. Ele acredita que contas do Facebook foram utilizadas pelos hackers para disseminar os ataques.

Segundo Villneuve, o ataque ao Hotmail aproveitou uma falha na programação. As contas dos usuários de Taiwan foram invadidas no momento em que eles abriram uma mensagem que pareceria ser do Facebook. No caso do Yahoo, os hackers tentaram invadir as contas de e-mail ao roubar os arquivos “cookie” do navegador, explicou Villneuve no post.

Na quarta-feira (1), o Google revelou que hackers desconhecidos, aparentemente vindos da região central da China, tentaram invadir contas de centenas de usuários do seu sistema de e-mails, incluindo autoridades importantes do governo norte-americano, ativistas chineses e jornalistas.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, afirmou que o FBI abriu uma investigação para apurar o ataque. A secretária de Estado, Hillary Clinton, qualificou as acusações do Google à China como muito sérias. "Esperamos que o governo chinês dê uma explicação", disse Clinton, em comunicado.

Em Pequim, Hong Lei, um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, negou as acusações. "Os ataques são um problema internacional do qual a China também é vítima. As acusações dos supostos ataques são totalmente infundadas e têm motivos ocultos", manifestou Hong.

Fonte: G1, São Paulo

Computação corporativa: 5 perigos nas mídias sociais


Malwares e comentários infelizes de funcionários estão entre os principais problemas. Política clara e treinamento ajudam a evitar crises.

Plataformas sociais como Twitter, Facebook e LinkedIn são cada vez mais usadas por empresas interessadas em aprimorar a comunicação com seus clientes, engajá-los ou mesmo reforçar a imagem que eles têm da marca.

No entanto, quando esses portais são utilizados em um contexto corporativo, não é só uma questão de colecionar amigos, avaliações positivas ou sinais de curtir. Quando mal elaborada e gerenciada, a estratégia social pode virar-se contra a empresa, seja devido a danos causados à sua reputação, seja por causa de informações confidenciais vazadas.

Eis os cinco principais fatores com os quais as companhias devem se preocupar ao entrarem no mundo das mídias sociais.

1::Aplicativos
A ascensão das redes sociais está intimamente ligada à revolução da computação móvel, que deu a largada para o rápido desenvolvimento de aplicativos para smartphones. Naturalmente, os funcionários de sua empresa baixam um monte deles, tanto em seu próprio celular quanto no do trabalho, porque, bem, eles podem.

No entanto, alguns programas podem prometer uma coisa e entregar outra. No começo de março, a Google removeu de seu Android Market mais de 60 aplicativos que carregavam códigos maliciosos. Alguns deles eram programados para roubar dados pessoais e repassá-los a um terceiro ou mesmo para destruí-los.

Sim, justamente aquele jogo que prometia ser melhor do que Angry Birds.

2::Engenharia social
Não é de hoje o surgimento de golpistas, mas a Internet se tornou o local favorito de atuação deles. Ela, afinal, facilita a busca por vítimas de coração mole, que possam se simpatizar por causas como... A crise financeira da família real nigeriana.

As redes sociais deixaram a vida dos malandros ainda mais tranquila. E por dois motivos: Primeiro, eles não precisam chutar no vazio, já que as pessoas nunca compartilharam, voluntariamente, tantas informações pessoais como hoje. Segundo, plataformas sociais encorajam os usuários a confiar em pessoas que nem sequer conhecem. Daí é só um passo para que o funcionário caia em um golpe, tenha as senhas roubadas, e consequentemente, perca e-mails confidenciais enviados pela empresa.

3::Redes sociais
Às vezes os hackers vão diretamente à fonte, injetando códigos maliciosos na própria rede social, seja numa propaganda, seja a partir de um aplicativo.

No Twitter, links encurtados – muito populares no serviço por conta da limitação de 140 caracteres por mensagem – costumam ser usados para enganar internautas, que podem ter seus computadores invadidos ao clicarem onde não deviam. Essa rede social favorece tal método, pois uma mensagem é facilmente replicada, chegando a inúmeros membros.

4::Os funcionários
Você sabia que chegaríamos a isso. Mesmo os funcionários mais responsáveis têm lapsos, agem sem pensar ou julgam precipitadamente. Ninguém é perfeito o tempo inteiro.

A questão é que lidar com um comentário infeliz no escritório é uma coisa; tentar contorná-lo quando feito pela rede social é outra coisa. Exemplos não faltam, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.

Veja por exemplo o caso de James Andrews, então vice-presidente de relações públicas da agência de marketing Ketchum. Há dois anos, ele enviou um inflamado tuite, difamando a cidade de Memphis, no Tennessee. No dia seguinte, faria uma palestra no local, já que um dos clientes da empresa era ninguém mais ninguém menos que a FedEx, cuja sede fica lá.

Os empregados, irritados, questionaram a companhia, pedindo um esclarecimento de porquê ela estaria pagando tal agência nova-iorquina enquanto eles tinham de acatar um corte de 5% no salário. James Andrews teve de pedir desculpas publicamente, enquanto torcia para não ser demitido.

Observem que o incidente não se deu com um funcionário inconsciente da missão da empresa, mas com um executivo de alto escalão. Ele prejudicou a imagem da empresa e ainda fez com que ela perdesse uma conta importante. Agora, se Andrews foi capaz disso, imagine um empregado sem treinamento, ou mesmo insatisfeito com suas funções.

5::Falta de política para mídias sociais
Essa é para os chefes. Sem uma política para mídias sociais, a empresa está sujeita a enfrentar uma crise a qualquer momento. Não se pode pedir aos funcionários, simplesmente, que eles representem dignamente a companhia na Internet. É preciso detalhar objetivos, parâmetros e limites.

Os dois principais pontos: Especifique quem está autorizado a agir em nome da empresa e o que se pode dizer. Seja claro, e evite que funcionários decidam por conta própria, pois, em geral, é a partir daí que coisas ruins acontecem.

Por fim, não esqueça que as corporações devem treinar os empregados para que eles tenham conhecimento da política utilizada para as redes sociais. E uma pessoa para coordenar a atuação da empresas nesses portais também é recomendada: Um gerente de mídia sociais.

(Chris Nerney)
 
Agência de Comunicação, Publicidade, Design e Web